Comentários das Liturgias

3º DOMINGO DE PÁSCOA

3º DOMINGO DE PÁSCOA
At 3,13-15.17-19 / Sl 4 / 1Jo 2,1-5a / Lc 24,35-48

 

3oDomingoPascoaAprofundando a espiritualidade do Tempo Pascal, que nos convida a contemplar a presença do Ressuscitado no meio de nós, em nossa história, somos convidados, neste 3º Domingo da Páscoa a reconhecer Jesus presente nos momentos comunitários de celebração da fé, especialmente na celebração eucarística. Na celebração do memorial da Páscoa do Senhor, o Ressuscitado se faz presente em nosso meio, na Sua Palavra e em Seu Corpo e Sangue, fortalecendo nossa fé e nos encorajando na missão.


O Evangelho nos mostra esse encontro da comunidade reunida com Jesus Ressuscitado. O contexto é a volta dos discípulos de Emaús, que após reconhecerem Jesus no anúncio das Escrituras e no gesto de partir o pão, símbolo da Eucaristia, retornam à comunidade reunida em Jerusalém. É a essa comunidade dos discípulos que Jesus se manifesta, comendo com eles, abrindo a inteligência para entenderem a Escritura e, por fim, convocando-os a serem testemunhas da salvação concedida em Sua ressurreição.


Esse encontro com o Ressuscitado é uma graça que é concedida também a nós, hoje, na celebração da Eucaristia. Muitas vezes não reconhecemos o valor sagrado deste memorial que o próprio Senhor nos deixou, para que possamos participar da Vida Nova de Sua Páscoa. Por costume, dizemos que “assistimos” a missa, ou que “cumprimos o preceito”. A missa, ou a Eucaristia, é a celebração do memorial da morte e da ressurreição do Senhor, na qual o próprio Senhor se faz presente em nosso meio, manifestando Seu amor e Sua graça. Assim, pois, já uma grande diferença entre “assistir” e “celebrar” a Eucaristia. Não nos reunimos para “assistir” a morte e a ressurreição do Senhor, mas para morrer com Ele e com Ele ressurgir, num dinamismo constante de renovação e de crescimento espiritual. Tampouco nos reunimos para cumprir um preceito, obedecendo uma ordem externa, mas atendemos um chamado interior que o próprio Jesus nos faz, pois a celebração da Páscoa do Senhor é um convite divino para que nos entreguemos inteiramente ao Seu amor, deixando que Ele aja em nossa vida.


E na medida em que conseguimos vencer o orgulho e nos entregamos ao Senhor, a força da Páscoa, da ressurreição do Senhor transforma a nossa vida. Somos transformados pela Palavra, que nos questiona, que nos inquieta, mostrando nossos limites e apontando caminhos para o nosso crescimento espiritual. Quando acolhemos a Palavra com fé, ela tem o poder de purificar nosso coração, ajudando-nos a superar sentimentos e comportamentos que impedem nosso crescimento espiritual. E na partilha do Corpo e do Sangue do Senhor, somos alimentados espiritualmente, acolhendo a presença do Senhor Ressuscitado, que se une à nossa existência, para nos ajudar a concretizar a libertação que a Palavra nos indicou.


Ao final da celebração, transformados pela Páscoa do Senhor, somos enviados para testemunhar ao mundo tudo que o Ressuscitado realizou em nossa vida, partilhando a alegria de termos acolhido a luz de Sua Palavra e termos feito comunhão com Seu Corpo e Sangue. Somos chamados a anunciar, como fez São Pedro, que Jesus é o salvador, morto e ressuscitado, pelo qual nos é concedido o perdão dos pecados, a libertação e a vida nova. Somos chamados a viver uma nova semana, guardando os mandamentos do Senhor, como nos pede São João, para que o amor de Deus se manifeste ao mundo por meio de nossas palavras e gestos. Especialmente em gestos de cuidado para com os irmãos necessitados, na promoção da dignidade humana e da justiça social.

Liturgias Anteriores

Previous Next
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8