Comentários das Liturgias

DOMINGO DA PÁSCOA NA RESSURREIÇÃO DO SENHOR - 2019

DOMINGO DA PÁSCOA NA RESSURREIÇÃO DO SENHOR
At 10,34a.37-43 / Sl 117 / Cl 3,1-4 / Jo 20,1-9

 

domingoPascoa

Como nos diz o Salmo 117, este é o dia que o Senhor fez para nós, dia de festa e de alegria. É o dia da Ressurreição do Senhor, por isso nós o chamamos de Domingo, o dia do Senhor por excelência, que dá sentido a todos os demais domingos do ano. É o primeiro dia da semana, o primeiro dia da nova criação, na qual impera a graça divina e não mais o pecado humano.


Se a experiência da cruz, carregada da violência e da dor, marcada pelo sofrimento e pela humilhação, envolveu o coração dos discípulos com as trevas da dúvida e da incerteza, a alegria da ressurreição fez brilhar a luz da vida nova, na força do amor e do poder de Deus, que transforma a morte em vida, a maldade em amor. A ressurreição do Senhor transformou a vida dos discípulos e deve também transformar também a nossa. A ressurreição do Senhor é o fundamento da nossa fé. Cremos que o Senhor venceu a morte e nEle e com Ele, participamos dessa vida nova no amor.
A Carta aos Colossenses nos confirma essa grande alegria de que já ressuscitamos com Cristo na graça do nosso batismo. Por isso a Páscoa é a festa do nosso batismo, pelo qual mergulhamos a vida nova do Senhor Ressuscitado. Somos, pois, convidados a renovar nossa fé na vitória de Cristo, a exemplo do discípulo amado, que viu e acreditou.


Naquele primeiro dia da semana, Maria Madalena, ainda marcada pela dor, foi ao túmulo chorar a morte do Mestre. Ao encontrar o túmulo aberto e não ver mais o corpo de Jesus, ainda não conseguiu acolher na fé a realidade da ressurreição. Tampouco Pedro, que correu ao seu chamado, não compreendeu o que acontecera ao entrar no túmulo. Mas o outro discípulo, o discípulo amado, entrou no túmulo, viu e acreditou. O que ele viu? Nada! Apenas o túmulo vazio! Essa é a verdadeira fé, que nasce da experiência do amor de Deus, e que não precisa de provas ou sinais. Apenas acreditar naquilo que o próprio Jesus anunciara, de que venceria a morte e ressuscitaria.


Dessa fé em Jesus Ressuscitado brota o sentido para a nossa vida, de buscarmos sempre mais as coisas de Deus, de aspirar as coisas celestes e não as coisas terrestres. Vivemos neste mundo, mas não encontramos nele o sentido para a nossa existência. Nossa vida tem seu verdadeiro sentido em Deus e na sua ação geradora de vida e de salvação. Buscar as coisas celestes significa, no cotidiano da nossa história, deixar-se conduzir pelos valores de Deus. Assim, vivendo em meio às injustiças, acreditamos e defendemos a prática da justiça. Vivendo num mundo marcado pela violência, defendemos a paz e a reconciliação. Mesmo enfrentando situações de sofrimento e de morte, jamais nos deixamos abater, pois cremos que Jesus é vitorioso sobre a morte, e que nós, também venceremos com Ele.


A experiência da ressurreição nos torna anunciadores dessa grande alegria aos nossos irmãos, a exemplo de Pedro, que proclamou com firmeza o querigma, o anúncio fundamental da nossa fé: Jesus, morto na cruz, ressuscitou, e todo aquele que nEle crer, recebe o perdão dos pecados, ou seja, recebe a salvação. Em nosso mundo, marcado pela descrença, pela perda dos valores fundamentais, somos chamados a dar o nosso testemunho de fé, de que Jesus ressuscitou e, por isso, a morte foi vencida pela vida e pelo amor.

Liturgias Anteriores

Previous Next
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8